Como montar um planejamento de obras em 5 passos

Como montar um planejamento de obras em 5 passos

Atualizado em 8 fevereiro, 2017
por Marcel Ribeiro

O planejamento de obras é uma etapa desafiadora que envolve a escolha de tecnologias, atribuição de funções, estimativa de mão de obra, materiais, equipamentos, além das possíveis interações entre essas recursos. Por isso, um planejamento ideal evita surpresas no tempo de execução e no orçamento da obra.

Existem várias maneiras de realizar um planejamento de obras. Dentre essas possibilidades podemos citar duas delas. A primeira é baseada nos custos do projeto, e a segunda se refere ao cronograma de execução. Neste texto listamos cinco sugestões gerais, úteis para que o gestor planeje a execução da obra da melhor forma.

Conheça o Mais Controle

1. Organização das atividades e serviços

Esta é a etapa que deve preceder as demais. Nela ocorre a definição do método construtivo e do cronograma da obra como um todo, com todos seus detalhes.

Com o método construtivo definido é hora de dividir e sequenciar a obra em etapas e tarefas. Durante o cálculo do tempo necessário uma dica é acrescentar uma margem de segurança para eventuais diversidades.

Por mais difícil que seja, evite organizar atividades que tenham total dependência de outras (atividades com precedência). Caso uma delas falhe, as chances de atrasar todo um setor da obra aumentam bastante.

Após a divisão e sequenciamento é realizado o levantamento dos serviços a serem executados. Durante a definição desses serviços, o gestor pode chamar os responsáveis por cada frente de trabalho para obter medidas mais realistas de tempo de execução e de recursos necessários.

A criação da hierarquia ainda dilui a responsabilidade e favorece a cobrança por cumprimento de prazos.

2. Levantamento dos quantitativos

Após o identificação dos serviços realizado na etapa anterior, é necessário levantar as quantidades de cada serviço. Esse levantamento serve de base para o orçamento dos insumos, tais como materiais, mão de obra, dimensionamento de equipes e equipamentos.

O levantamento pode ser feito no local no caso de uma reforma ou pelo projeto arquitetônico no caso de uma construção. Este é um processo trabalhoso, que exige bastante atenção e organização, pois um erro nesta etapa, pode acabar se propagando por todo o planejamento. Uma dica é manter a memória dos cálculos, visando facilitar o entendimento e identificar possíveis erros.

3. Custos Diretos

Após o levantamento dos serviços e de suas respectivas quantidades, é hora de levantar os custos diretos. Para isso deve-se multiplicar as quantidades de serviços pelas suas composições de custos unitários. Dessa forma, será possível encontrar uma estimativa de custos com mão de obra, materiais e equipamentos para cada serviço e para a obra toda.

Orçamento de obra em 4 passos

4. Cronograma físico

O cronograma é a estimativa de tempo que as atividades da obra levarão para serem finalizadas. Nesse cronograma também estão inclusos o sequenciamento, baseado nas datas de início e fim das atividades.

Esta etapa, apesar de estar ligada ao levantamento de quantitativos, possui um aspecto gerencial. Sua criação envolve decisões quanto à relação tempo-custo tanto para elaboração quanto para o acompanhamento da obra.

É importante lembrar que dificilmente o cronograma ocorre como planejado, ocasião que entra a habilidade de quem está no controle das decisões. Por exemplo, pode faltar algum tipo de material por algum motivo, tornando necessárias alterações no sequenciamento de alguma parte da obra.

5. Cronograma financeiro

Um cronograma financeiro é elaborado em função do cronograma físico e da disponibilidade financeira da empresa. Por isso é importante para facilitar a visualização do calendário de receitas e despesas do projeto.

Dessa forma, seguindo esse cronograma, a empresa pode se preparar financeiramente e controlar as entradas de receitas e os pagamentos das despesas. Dessa forma é possível verificar os períodos de superávit ou déficit no fluxo de caixa.

Melhore a gestão de obras com o Mais Controle

Lembramos que para pequenas reformas alguns dos passos são de mais fácil realização que outros. Convém também ressaltar a importância da automatização desses passos com softwares especializados, que não só facilitam a vida de quem está planejando e executando como também ajudam a evitar possíveis erros.

Tem experiência com planejamento de obras e quer contribuir com o assunto? Deixe um comentário!


Marcel Ribeiro
Escrito por
Marcel Ribeiro
Engenheiro e cofundador do software Mais Controle.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja algumas postagens relacionadas

Saiba como o Mais Controle pode ajudar nas melhores decisões!