Saiba quais são os principais tipos de fundação

Responsáveis por distribuir a carga da construção para o solo com segurança, as fundações são fundamentais para garantir a estabilidade do empreendimento, além de impedir deslizamentos de terra e dificuldades que podem aparecer em um edifício, como trincas e rachaduras. 

Você sabia que existem variados tipos de fundação, para diferentes modelos de construção?

Um bom projeto de fundação é aquele que diz qual o tipo certo, que, por sua vez, é determinado de acordo com as características do solo, o peso da edificação, entre outros fatores.

Nesse artigo você vai aprender:

  • Quais são os tipos de fundações?
  • Fundações rasas ou diretas: conheça os principais tipos
  • Fundações profundas ou indiretas
  • Como escolher a melhor fundação para a sua construção?
  • Como fazer uma fundação na construção civil?

Em seguida, explicaremos mais sobre essas tipificações de forma prática e clara. Continue acompanhando e tire suas dúvidas.

Fundações rasas

Vamos começar falando das mais utilizadas? as fundações rasas, ou diretas, são amplamente conhecidas e aplicadas por causa de seu custo benefício.

Elas costumam ser utilizadas em construções com até dois andares. Enviando o peso diretamente para o solo por meio das bases, esse tipo de fundação tem profundidade igual ou inferior a 3 metros e é feita manualmente — na maioria dos casos.

Apesar de todas serem construídas com concreto armado (combinação entre concreto e aço), os formatos das fundações vão mudando de acordo com o tipo.

Os tipos de fundações rasas mais populares são:

Sapata isolada

É uma fundação indicada para terrenos com solo firme e de boa resistência. Sendo assim, a carga da edificação é transmitida para as colunas, que transferem o peso para as sapatas, distribuindo-o para o solo.

Na maioria das vezes, as sapatas isoladas têm a base retangular ou quadrada. No entanto,  o topo pode ser reto ou em formato de pirâmide.

Além disso, antes de optar pela sapata isolada você deve observar alguns pontos. Investigue o solo, analisando:

  • capacidade de carga;
  • profundidade de assentamento da base da fundação;
  • Presença de água no terreno.

Essas informações devem fazer parte do seu projeto estrutural. Além de também serem entregues com a indicação da profundidade da sapata isolada, do assentamento e do pré-dimensionamento de todos os elementos envolvidos em sua construção.

Sapata corrida

Famosa na construção de casas com muros, vãos pequenos, paredes de reservatórios e piscinas, a sapata corrida é uma fundação superficial. Contudo, trata-se de uma estrutura contínua de concreto armado localizada abaixo das paredes, com dimensões de largura e altura maiores do que a viga baldrame.

O peso da construção é transferido para as colunas e depois distribuído linearmente para o solo.

Viga baldrame

É uma viga localizada abaixo do nível do solo. Ela percorre todo o comprimento das paredes da construção e liga as sapatas isoladas para distribuir os pesos do edifício. Além disso, ela ajuda no travamento das colunas.

Normalmente a estrutura da armação de aço mais utilizada é composta por 4 barras de aço. Na maioria dos casos elas acompanham o traçado das paredes. Ou seja, ela se estende por toda a projeção da edificação.

Por isso, a viga baldrame é conhecida por causar muito trabalho além de consumir muito tempo.

Radier

Já vi muitas pessoas confundindo a radier com as sapatas e vigas baldrames. Mas tenho certeza que depois desse blog, você não será uma delas!

Este tipo de fundação trabalha similarmente a uma laje de concreto armado onde as cargas são distribuídas a partir de uma estrutura superior. Por certo, este sistema é comumente utilizado em obras leves de alvenaria estrutural.

Uma vantagem deste sistema é a rapidez do processo de execução e a economia de materiais. No entanto, para que seja possível utilizar este método, é necessário realizar previamente uma análise de compactação do solo, e este deve estar de acordo com a norma técnica em vigor.

Grelhas

Apesar de serem pouco usadas na construção civil brasileira, são um ótimo tipo de alicerce para as obras. A técnica requer um conjunto de vigas, que devem interligar todos ou a maior parte dos pilares de sustentação de um edifício. 

Dessa forma, o material consegue distribuir as tensões entre as superfícies verticais e o solo onde a edificação é construída.

Blocos de fundação

Os blocos são estruturas usadas na construção civil para distribuir as forças entre os pilares e os elementos profundos da fundação. A norma brasileira que regulamenta a aplicação dessa técnica à construção civil estabelece que os blocos são itens de volume considerados rígidos ou flexíveis, a depender da integração com outros elementos que alicerçam a obra.

Em construções de pequeno porte, é mais comum o uso de blocos de fundação sobre uma ou duas estacas. Já em edificações maiores ou com mais pavimentos, geralmente, são usadas mais de duas estacas para dar sustentação aos blocos.

Fundações profundas

As fundações profundas recebem esse nome porque transmitem a carga ao terreno pela base e/ou superfície lateral. Nesse sentido, elas estão em grandes projetos, como por exemplo em edifícios altos. Os tipos de fundações profundas mais populares são:

Estacas

Com grandes comprimentos e seções transversais pequenas, as estacas descartam a necessidade de operários em sua movimentação. Ao passo que a execução é feita inteiramente por equipamentos ou ferramentas. Assim sendo, as estacas podem ser feitas de:

  • aço;
  • madeira;
  • concreto moldado in loco;
  • concreto pré-moldado.

Tubulões

Este método é indicado especialmente para obras com cargas consideravelmente elevadas, como, por exemplo: pontes, viadutos e prédios de grande porte. Ou, para solos com a presença de lençol freático, e que apresentam riscos de desabamento.

Trata-se de uma estrutura cilíndrica de fundação profunda, em concreto moldado in loco. Este processo exige a descida de um operário, pelo menos durante a etapa final. De aço ou concreto, com ou sem revestimento, os tubulões podem ser feitos a céu aberto ou sob ar comprimido (pneumático).

Caixões

Em forma de prisma, os caixões são concretados na superfície e instalados por meio escavação interna. Dependendo do material, eles podem usar ar comprimido e ter a base alargada.

Geralmente os caixões são maiores, impermeáveis e usados para escorar paredes de escavação e impedir que entre água enquanto a obra no solo estiver sendo feita. Após o término da obra, os caixões são utilizados como pilares ou fundações da própria construção.

Melhore a gestão de obras com o Mais Controle

Como escolher a melhor fundação para a sua construção?

Depois de ler mais sobre os tipos de fundação, você continua em dúvida? Fique tranquilo! Em suma, você deve prestar atenção em dois critérios técnicos: tipo de casa e resistência do solo.

Como escolher tipo de fundação na construção

No entanto, é sempre importante ressaltar que, essas informações não dispensam um engenheiro. Afinal de contas, apenas um profissional capacitado pode apontar a melhor fundação na construção.

Como fazer uma fundação na construção civil?

Antes de tudo, é preciso se lembrar de que o processo de fundação deve ser executado por engenheiros e outros profissionais especializados nessa técnica. No entanto, existem informações gerais que podem explicar o processo, que depende das especificidades de cada obra, como os materiais para realização do projeto e o tipo de solo.

Todavia, o alicerce de edificações simples precisa de uma base sólida construída com vigas e com concreto armado, de 25cm a 30cm de espessura e 10cm de largura, em geral. Por outro lado, nesse tipo de fundação, usa-se quatro ferros de 3/8, os quais são amarrados com estribos de ferro de 3/16.

Os estribos (também chamado de botaréu, é uma peça de ferro) devem ser instalados com uma distância de 15cm a 20cm entre si. Dessa forma, a ferragem usada para a construção do alicerce também é aplicada nos pilares de sustentação da casa. Na parte do muro, recomenda-se o uso de quatro ferros de 1/4 amarrados com estribos de 3/16, separados por 20cm cada.

Além da ferragem, também é necessário usar outros materiais para levantar o alicerce de uma edificação. Materiais como areia lavada, água potável, tábuas de 30cm, sarrafos de 10cm e de 5cm, arame recozido (queimado), pregos de 17×27, brita e cimento. Ferramentas como martelo, trena, marreta, pá, enxada, betoneira, baldes, vibrador e serra também são necessárias nesse processo.

ebook com dicas para gestão de obras e construção civil

Conclusão

Para ter certeza sobre qual o tipo de fundação deve ser utilizada, é preciso conhecer bem a estrutura do empreendimento. Além do mais, conhecer deve-se realizar um estudo para saber detalhes da topografia e do tipo de solo. 

Neste conteúdo, você viu como fazer fundações de diferentes formas, desde a sapata corrida até as grelhas, passando pelas estacas e pelo radier, para que as obras permaneçam no lugar, sem rupturas e sem sofrer instabilidade com o passar do tempo. Sendo assim, é imprescindível que a estrutura de qualquer construção tenha resistência adequada para suportar todas as tensões do ambiente. 

Por conta disso, é preciso conhecer bem e escolher a opção que melhor se encaixe com o projeto.

Agora, entenda por que usar essa metodologia de ensaio bidirecional na construção das suas obras!

Compartilhe

Marcel Ribeiro

Engenheiro e cofundador do software Mais Controle.

1 Comentário

Muito bom

IMPORTANTE: Seu nome e e-mail não serão divulgados para o público.

Seja o primeiro a receber as novidades do Mais Controle